#1 Os Regicidas

#

Pode-lhe parecer estranho que alguém (como eu!) que trabalha com pessoas, apoiando-as e ajudando-as a desenvolver melhores práticas de gestão de carreira e de pesquisa de emprego se interesse por Astrologia e em especial pelo estudo e compreensão dos eventos históricos através do recurso à Astrologia. Sobre o meu interesse na Astrologia em geral pode ler o meu artigo A Astrologia e a nossa Vocação, mas sobre o meu interesse particular pela História e pela compreensão, às vezes quase exaustiva, dos eventos históricos e dos seus intervenientes creio que o motivo primordial nos leva de volta às pessoas e ao meu interesse particular por elas, pelo que fazem e por que motivo o fazem.

Foi precisamente esse interesse nas pessoas e nas suas disposições muito particulares que me levou a pesquisar mais sobre Manuel Buiça, num primeiro momento, como mera curiosidade em olhar para o seu mapa natal, mas como nestas coisas e comigo nunca é dá aquela palha, acabei por solicitar aos respectivos arquivos regionais a consulta à sua certidão de nascimento e à de Alfredo Luís Costa. Não sou pessoalmente afecta à causa republicana como também não o sou à causa monárquica e o único objectivo que me move é compreender quem é aquela pessoa no seu universo particular e quem é aquela pessoa perante as circunstâncias que a rodeiam, neste caso os eventos históricos na sua dinâmica inabalável e impediosa.

Não é preciso compreender Astrologia para saber de antemão que Manuel Buiça não era um homem convencional, basta que para isso deitemos um olho às crónicas subsequentes aos eventos do regicídio para o vermos retratado como um homem expansivo e exaltado, de assomadiço génio. Na realidade Buiça ficou na História como “o regicida”, ainda que tenha sido Alfredo Luís Costa a planear o ataque, e isso deve-se creio, ao facto de possuir um temperamento irritável e impetuoso que lhe valeu inclusive a expulsão do exército. Era, portanto, um homem que no mínimo não passava despercebido; o máximo creio que já sabemos qual foi, ainda que a História proceda sempre a juízos muito superficiais com estas personagens e com os seus actos.

O seu génio e temperamento por si só não ditam e nem explicam o que o leva, juntamente com Alfredo, a dispararem sobre o landau real que atravessava o Terreiro do Paço; nas bocas de muitos como plano alternativo ao previamente estabelecido que era a morte de João Franco. Para estes actores da História existe também contexto e circunstância a que a Astrologia pode dar o seu contributo precioso muito para além dos factos.

Manuel Buiça foi o meu ponto de partida e talvez o momento em que comecei a fazer aquilo que Steve Jobs denominou numa ocasião como “connecting the dots”. Eu estudei História na Faculdade, mais propriamente Relações Internacionais e sempre tive um dom não raras vezes pouco aproveitado para “descobrir as coisas escondidas”. Por outro lado, as pessoas e as suas vontades fascinam-me. A Astrologia foi o elo de interligação disto tudo. Saber por que motivo pessoas do passado foram peças cruciais no tabuleiro dos eventos históricos.

Hoje, dia 17 de Novembro de 2021, e precisamente dois dias antes do Eclipse Lunar de 19 de Novembro no eixo de Escorpião-Touro a pedir-me para andar à cata das “coisas escondidas” e para confiar nos meus recursos individuais para tal tarefa, começo a contar-lhe esta história sobre Manuel Buiça, Alfredo Luís da Costa e os outros que ainda estão por descobrir. A Astrologia será a minha lupa e talvez a minha fiel “amiga” nas longas horas à minha espera.

Adicionar Comentário