Quem não é visto, não é contratado

“Quem não é visto, não é contratado”, ali estava mais uma vez a passar pela minha timeline a infame frase que muitos conselheiros de carreira usam como apanágio para uma presença digital ou supostamente a justificação para que qualquer profissional queira desenvolver a sua marca pessoal como se fosse o elemento central da gestão estratégica da sua carreira.

Não pude deixar de pensar, o que significa ser visto? Nesta perspetiva, o que é preciso fazer para ser contratado? E será que algum departamento de recursos humanos (no seu perfeito juízo) só recruta quem é visto? E as funções de mercado que são escassas; esses profissionais também precisam de ser vistos? E os profissionais que não querem ser vistos, não podem ser contratados?

Na minha modesta opinião, porque não sou especialista em LinkedIn e muito menos em desenvolvimento de marca pessoal, a resposta está essencialmente nas palavras de um director de recursos humanos com quem conversei há uns meses e que me dizia “Margarida, para pagar um serviço caro como a consultoria de recrutamento não me podem só dar LinkedIn, senão mais vale eu pôr os meus colaboradores a fazer sourcing com o premium!”.

Em Portugal, pouco mais de 2 milhões e 500 mil profissionais têm perfil de LinkedIn, o que corresponde a metade da mão-de-obra disponível, isto se não considerarmos as faixas etárias abaixo dos 18 anos e acima dos 65 anos porque isso já seria outro tema. Portanto, se é conselheiro de carreira e nunca recrutou, desenvolveu projectos de consultoria ou acompanhou profissionais antes da existência monopolizadora do LinkedIn, talvez deva reflectir se o serviço que promove no mercado está “maduro”. Ser conselheiro de carreira é sobretudo um trabalho de maturidade, capacidade planeamento e antevisão, possuir os planos A, B, C e as saídas de emergência porque afinal foi para isso que foi contratado.

É “ter mundo” e ter vivido profissionalmente o suficiente para se saber que quando o LinkedIn falha (e acredite que vai falhar nalgum momento!) o profissional continua lá a apostar as fichas todas em si. E depois? O que vai fazer para que aquele profissional continue a ser visto e possa finalmente ser contratado? 😏

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *