Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Margarida Diogo Barbosa

Um blogue que aborda os recursos humanos numa perspectiva de todo.

10
Set19

Fazer mais para Ser mais

Não é Inverno e muito menos Natal, mas estas pequenas (grandes!) mensagens são determinantes para confiarmos em absoluto no que fazemos e como fazemos. E aquecem o nosso coração.

"Olá Margarida. Obrigada pelo apoio, fica o contacto para futuros interesses. Não posso deixar de lhe agradecer a forma simpática e eficiente com que sempre respondeu. Tem uma abordagem claramente diferenciadora da generalidade dos seus colegas de profissão. Tenho pena de não ser desta vez que vamos trabalhar juntas. Um bem haja para si."

 

07
Ago19

Livros. O meu retiro espiritual.

thought-catalog-o0Qqw21-0NI-unsplash.jpg

Ninguém será capaz de proceder a escolhas eficazes sobre a sua carreira se não souber desenvolver mecanismos internos para promover a sua inteligência emocional. Este processo requer coragem para olharmos para dentro de nós e tempo para nos reconciliarmos e aceitarmos quem somos e o que verdadeiramente procuramos para nossa vida e respectiva carreira.

Mesmo a viver um dos melhores momentos da minha carreira também eu me disponho a essa busca interior e a esses momentos preciosos de retiro que me dão estabilidade e discernimento para ajudar os outros. No meu caso, o meu retiro são os livros.

Este Verão descobri Walter Scott e James Hogg. E vocês o que gostam de ler?

11
Jul19

Carreira & Missão

Uma das estagiárias da Global Partner HR Solutions perguntou-me um dia porque tinha escolhido esta carreira. Nunca verdadeiramente tinha pensado sobre isso, mas acabei por lhe dar a única resposta que me fez sentido, eu não escolhi esta carreira, mas acho que a Vida me trouxe até aqui.

Na realidade, sempre gostei de Pessoas e creio que "elas" também sempre gostaram de mim. Mesmo que no início da minha carreira tivesse tido momentos em que sentia dificuldade em abraçar esta competência, a maturidade e própria experiência adquirida fez-me finalmente compreender e aceitar a minha Missão.

E quando as circuntâncias da Vida nos proporcionam a possibilidade de juntarmos a Carreira à Missão pessoal tudo faz muito mais sentido.

05
Jul19

Pessoal ao pessoal. Profissional ao profissional.

brooke-lark-nMffL1zjbw4-unsplash.jpg

Um dos primeiros avisos que faço aos estagiários que acompanho é acerca da sua obrigação em serem capazes de diferenciar o que diz respeito à sua vida pessoal e o que diz respeito à sua vida profissional, ou por outras palavras, clientes e candidatos não são nossos amigos, mas devem sempre ser tratados de forma profissional, com o devido respeito e sentido de responsabilidade. Isto implica necessariamente sermos capazes de ter uma conduta adulta, mas muito essencialmente imparcial, avaliando cada comportamento de cliente e candidato numa perspectiva profissional e não pessoal.

Dito não é necessariamente feito. Em termos culturais, os portugueses têm uma predisposição crónica para analisar tudo pela perspectiva pessoal, mesmo o que está circunscrito ao meio profissional e caem invariavelmente na tentação de ver as acções alheias como uma espécie de vendetta ou ataque pessoal. Ainda que existam alguns que se comportam genuinamente desta forma, acredito que de um modo geral a nossa necessidade de “validação alheia” faz-nos cair no erro de acreditar que quando alguém desenvolve comportamentos que não se adequam à nossa expectativa, estes só podem significar uma traição à nossa lealdade.

Não é sequer imaginável para quem nunca trabalhou em recursos humanos, em especial em recrutamento, a quantidade de ocasiões em que tive de explicar a um profissional que o simples facto do seu empregador não estar constantemente a validar o seu trabalho não significa que não exista mérito profissional ou reconhecimento alheio. E quanto mais o factor cultural e social se entrelaça com a imaturidade pessoal, maior é o meu desafio com esse profissional, maior será o desafio desta pessoa na sua carreira.

A capacidade de racionalizarmos os comportamentos alheios é condição essencial para mantermos alguma sanidade mental na gestão da nossa vida pessoal e profissional, mas é por certo uma forma objectiva de analisarmos as situações não apenas do nosso ponto de vista, mas também do ponto de vista alheio.

21
Jun19

Cuidar da nossa Carreira

simon-migaj-421505-unsplash.jpg

"P'ra se entender, tem que se achar" Elza Soares (in Sei Lá Mangueira)

A nossa carreira é apenas mais um dos muitos reflexos de quem somos como pessoas, talvez por esse motivo ela reflicta inequivocamente o melhor e o pior de cada um de nós.

Uma gestão cuidada e pensada da nossa carreira implica por certo cuidarmos de quem somos como seres humanos, mas também resolvermos o que nos condiciona, o que nos trava no processo e sobretudo o que nos diminuiu quando competimos por melhores oportunidades com outros profissionais.

Cuide da sua carreira como cuidaria de quem mais ama.

22
Mai19

Escolhas...

sean-kowal-1486376-unsplash.jpg

Alguém dizia que a vida são dois dias. Eu digo que mais tarde ou mais cedo somos chamados a responder pelas nossas escolhas ou pela falta delas, pois dificilmente conseguiremos escapar eternamente por entre os pingos da chuva.

Escolha! Independentemente de ter o aval, a concordância ou a compreensão dos que estão à sua volta. Escolha e respeite a sua verdade interior porque senão a Vida encarregar-se-á de lhe dar as escolhas que sobraram de quem já escolheu em livre consciência. Escolha! E faça o que verdadeiramente gosta!

07
Mai19

Sobre a felicidade

D3049-217.jpg

Sobre a felicidade.

Vivemos tempos estranhos. Não há nada que se consiga manter no seu estado mais genuíno e mais honesto. Há sempre os abutres à espreita que consideram interessante desmembrar para instrumentalizar em benefício dos seus interesses individuais ou particulares. Neste suposto mundo aberto e globalizado nada sobrevive à lei da interpretação superficial, assim foi com o coaching, com as frases inspiradoras ou até mesmo com as técnicas de auto-ajuda que entupiram as prateleiras de livrarias, papelarias e áreas de serviço.

Os tempos são tão estranhos que há organizações que julgam ser capazes de desenvolver e implementar práticas que fomentem a felicidade dos seus colaboradores, ora por construírem uma nova sede, ora por trazerem para dentro do espaço empresarial actividades supostamente lúdicas. Curiosamente nada que incentive o trabalhador a ter vida pessoal, mas antes tudo o que potencie o crescimento dos negócios e dos lucros do empregador. Só curiosamente. Não que haja alguma intenção por detrás da necessidade de definir o que são as “melhores práticas para a felicidade”.

Tinha pensado não escrever nada sobre isto. Tinha pensado. No entanto hoje tirámos esta fotografia e o que começou por ser uma sessão fotográfica corporativa e formal tornou-se naturalmente noutra coisa qualquer quando percebemos que havia adereços. O melhor de nós sobressaiu.

A felicidade é de cada um de nós. Não está, nem pode estar entregue à organização e ao empregador. Senão, todos sabemos o que vai acontecer, certo?

Créditos: NC Produções

03
Mai19

Quem é Ada Hegerberg?

Quem é Ada Hegerberg e por que motivo ter sido deixada de fora do Mundial de França 2019, por parte da Federação Norueguesa de Futebol, pode ser notícia de destaque?

Na realidade, e até para percebermos como as notícias são veiculadas quase sempre de forma tendenciosa, Ada Hegerberg que é nada mais nada menos que a grande estrela da selecção feminina de futebol da Noruega, tornou-se notícia nos últimos dias porque decidiu não representar a sua equipa nacional no Mundial de França 2019 e não o contrário como noticiado. Outras jogadoras norueguesas, nomeadamente a sua irmã Andrine, seguiram-lhe o exemplo.

Talvez se estivéssemos a falar do "futebol" que nos entope a televisão diariamente ao serão poderíamos pensar que estaríamos a falar de dinheiro ou talvez até numa birra das manas Hegerberg, mas não é este o caso. Tanto Ada como Andrine estão de candeias às avessas com a sua federação simplesmente porque as condições de competição e pagamento de salários e prémios de jogo entre a equipa feminina e a equipa masculina não são iguais. 

Pessoalmente, o que considero louvável é o facto de Ada ter sido capaz de ver para além da sua carreira e dos seus próprios interesses, não apenas em prol das suas colegas de equipa, mas também em benefício de todas as jogadoras de futebol, profissional ou amador, que todos os dias competem com menos condições. Ada Hegerberg recusou-se a perpetuar o comportamento de vítima e através das suas acções e influência impulsionou a mudança que já está a acontecer. 

26
Abr19

A propósito das contrapropostas

A propósito das contrapropostas.

Bem sei o quanto é mal visto pelos recrutadores que um determinado profissional aceite uma contraproposta do seu atual empregador. Mas e se essa contraproposta for apenas uma medida de retificação de uma situação já de si injusta?

Diz-me a experiência que muitos profissionais se assenhoram destas oportunidades, não realmente para mudar de trabalho e progredir na carreira, mas tão-somente para marcar uma posição exclusivamente financeira junto do seu atual empregador. Porém, e mesmo considerando como plausível que possam ser uma minoria do mercado, existem profissionais que são manifestamente subvalorizados financeiramente.

Nesses casos, não é aceitável que a contraproposta possa ser uma ferramenta de promoção profissional?

Sobre mim

foto do autor

Biografia

Este blogue é o resultado do meu percurso enquanto especialista em recursos humanos. Aqui, este tema será abordado numa perspectiva de todo: as boas práticas, métodos, o que há de novo no mercado, as relações entre recrutador, candidatos e clientes.(...)

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D