Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Margarida Diogo Barbosa

Um blogue que aborda os recursos humanos numa perspectiva de todo.

01
Jun19

Mulheres Machistas

the-hk-photo-company-661959-unsplash.jpg

Não são raras as ocasiões em que digo aos meus candidatos que compreendo algumas das decisões que tomaram e o que sentiram em determinados contextos profissionais, pois eu também já fui e continuo a ser candidata. É precisamente essa solidariedade que me conduz quando trabalho com profissionais, seja em processos de recrutamento, seja em programas de gestão de carreira.

Talvez o caso mais gritante seja o da discriminação em ambiente de entrevista e é sempre nesse tema que lhes conto o que lhe vou contar aqui, neste artigo. Há uns anos, numa fase final de um processo de recrutamento em que participei como candidata, fui entrevistada por uma senhora. Do rol infindável de perguntas, onde era inegável uma desconfiança latente por me ter apresentado na entrevista de vestido justo com uma cor vistosa, percebi que o seu único objectivo era encontrar algo que me eliminasse do processo selectivo. Sendo também recrutadora, sei que um pretexto não é realmente necessário quando não queremos avançar com "aquele" candidato, mas efectivamente eu tinha passado as duas fases preliminares do processo, uma delas com o administrador da empresa, e, portanto, teria de existir uma razão incontestável para a minha exclusão.

Essa exclusão aconteceu por via da minha condição de mãe, à falta de outra diga-se. Quando me perguntou se tinha filhos e lhe respondi positivamente, explicou-me que aquela organização tinha como política primordial apostar em profissionais que não tivessem preocupações em termos de horários e compromissos pessoais, pelo que um filho era complicado, ou traduzido em bom português, um empecilho. Ouvindo calmamente os seus argumentos lembro-me de ter pensado que não iria ficar bem comigo se não lhe respondesse na mesma moeda e assim quando lhe perguntei se tinha filhos e me respondeu negativamente, eu retorqui com um "nota-se..." num tom simultaneamente reprovador e orgulhoso.

Toda a minha vida ouvi a minha mãe dizer que “pior que um homem machista, é uma mulher machista” e certamente por isso advogo que se não queremos ser condicionados por determinado tipo de comportamentos, não devemos perpetua-los através das nossas acções ou conivência.

Sobre mim

foto do autor

Biografia

Este blogue é o resultado do meu percurso enquanto especialista em recursos humanos. Aqui, este tema será abordado numa perspectiva de todo: as boas práticas, métodos, o que há de novo no mercado, as relações entre recrutador, candidatos e clientes.(...)

Posts recentes

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D