Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Margarida Diogo Barbosa

Um blogue que aborda os recursos humanos numa perspectiva de todo.

08
Jan21

A biografia profissional e o Curriculum Vitae

headway-5QgIuuBxKwM-unsplash.jpg

Consigo imaginar, está sentada ou sentado na mesa da sala, a mesma que passou a ser o seu escritório quando veio para casa em teletrabalho, a tentar visualizar o seu novo curriculum vitae. O que gostava que fosse no fim do esforço hercúleo que está prestes a dedicar-lhe. É a sua sina. Cada vez que um novo ano se inicia decide que agora é que é, mas sejamos honestos aqui que ninguém nos ouve, fazer um curriculum vitae é um pincel e nunca sai como o imaginámos na mesa da sala, naquela fracção de segundos antes de empurramos para um canto o portátil e os papéis para pôr a mesa para o jantar.

Eu sou especialista em desenvolvimento de carreira e pesquisa de emprego, mas acima de tudo já fui candidata e profissional à procura de novas oportunidades em muitas ocasiões e sei bem o que sente, mas se ainda está sentado na mesa da sala à espera de que eu lhe dê a solução mágica para o seu dilema, então deixe-me dizer-lhe que se quer um bom curriculum vitae não pode começar por ele. Pronto, agora é que fica a pensar que se lixe o novo, actualiza o velho, e não perde mais tempo porque o jantar está quase pronto e as crianças já conseguiram destruir metade da sala.

Verdade, pode ser esse o caminho. Conforme-se e a sua carreira será o produto do seu conformismo. É uma solução, mas como eu costumo dizer, cada um tem o que merece. Ou…ou então lê este artigo até ao fim e presta atenção às dicas que lhe vou dar sobre o que é um curriculum vitae à séria! Daqueles em que você chega à entrevista e sabe bem ao que vem e ao que vai…já agora.

Se quer desenvolver um bom documento de apresentação profissional ponha os olhos no caso do Procurador João Guerra, evite as “notas internas” e aposte as suas fichas todas na construção séria, honesta e detalhada da sua biografia profissional. É por aí que o caminho se inicia. Olha para todas as suas experiências profissionais e pessoais (voluntariado, hobbies, actividades) e escreve-as de forma minimamente organizada. Organização pode significar coisas diferentes para pessoas diferentes, mas diria que o critério temporal pode ser uma solução simples e objectiva para seguir um caminho lógico.

A construção da biografia profissional demora tempo porque na realidade é um processo de desenvolvimento pessoal per si, portanto proponha-se a escrever por partes e seguindo a lógica de “um dia de cada vez”. Aos meus profissionais eu deixo dois avisos, não há limite de tempo e não há limite de páginas. Quando o seu caminho estiver concluído, inclusive a descrição do número de cafés que bebe no local de trabalho como desculpa para não aturar o manager ou o colega que acha que tem as soluções para as enfermidades do futebol, escolha um template porque a primeira fase do processo já concluiu.

Lembre-se que se a sua biografia profissional tem cinquenta páginas, o curriculum vitae não pode ser um copy paste, mas antes uma escolha que vai fazer e que vai defender na entrevista de emprego. Ora, eu explico, no curriculum vitae deve ficar espelhado a sua resposta a três perguntas: Quem eu sou? (globalmente) O que sei fazer? (profissionalmente) E o que quero fazer? (motivações). O que vai transpor para o template escolhido é o resultado de um trabalho de auto conhecimento que a esta altura já deve estar feito, pois no documento deve ficar reflectido quer os descritivos funcionais como também os achievements e concretizações profissionais mais relevantes e que sustentam as responsabilidades e tarefas inerentes às funções.

Mais uma vez, o curriculum vitae demora tempo e se fizer a coisa bem feita vai pôr algumas vezes a mesa para o jantar antes de dar o processo por concluído. Um bom curriculum vitae é desenvolvido por fases que envolvem modificações, retirar e incluir informação e sobretudo muitas correcções até chegar à versão que lhe vai permitir defender os seus “argumentos profissionais” ou a resposta às três perguntas já aqui mencionadas.

Ao longo destes dezassete anos na área dos recursos humanos percebi que o processo de desenvolvimento de um documento de apresentação profissional está sujeito, como tudo à nossa volta e em nós, à erosão do tempo, mais concretamente da memória. O que na prática acontece é que os profissionais acabam por criar documentos com descritivos funcionais muito resumidos, pobres do ponto de vista do valor que trazem para as organizações e até repetitivos como se de repente tivessem sido acometidos por uma grave crise de amnésia profissional e precisam colocar as mesmas frases em todas as funções, mesmo que uma tenha sido de gestor de compras e outra de designer gráfico. Porquê? Porque simplesmente não se lembram de tudo o que já fizeram. É normal e aceitável.

Com a construção prévia da biografia profissional vai ficar com um descritivo detalhado e transversal a toda a sua experiência profissional que lhe vai permitir explorar correctamente as suas mais-valias no curriculum vitae, mas também - e é aqui que me agradece – vai ficar com um documento que o vai ajudar a preparar-se para as entrevistas de emprego futuras. Tudo está encadeado e interligado.

Para uns o processo é duro e muito frustrante, para outros é um caminho em direcção à luz. Independentemente do que vai sentir, é necessário não se defender do processo e propor-se a fazer esta construção pessoal e profissional.

30
Dez20

2021. E agora?

O que deseja para 2021? Saúde, dinheiro ou simplesmente um pouco mais de sorte?

Se há algo que devemos aprender com 2020 é que a resposta que necessitamos não tem vida própria, mesmo que esteja completamente agrilhoado por todas as formas de validação e apoio moral e emocional, o que verdadeiramente precisa para estar em controlo da sua vida está simplesmente dentro de si.

Eu sei que ouvir a voz dos outros é mais rápido quando precisamos de ser confirmados e também sei por experiência que muitos nem sabem o que é a “voz interior”, pois bem vejo as suas expressões quando em sessão lhes digo para não a silenciarem. Mas ela está lá e talvez depois deste ano seja o momento para lhe perguntar o que precisa mesmo para 2021! É saúde? Será o dinheiro que lhe vai resolver todos os seus problemas? Ou quer deixar ao acaso e pedir à sorte que lhe dê um empurrão?

Eu quero deixar-lhe um desafio. Todos os dias quando sai de casa ou se senta ao computador para desempenhar um conjunto de tarefas a que damos usualmente o nome de profissão o que acha que elas representam, a sua vocação ou o seu trabalho? Sente que o faz tem algo de “sagrado” ou nem por isso?

Que 2021 lhe dê a inspiração para ouvir a sua voz interior. Bom Ano Novo! 

03
Dez20

E se Portugal entrar em crise?

photo-1546769821-d1137cf15c15.jpg

Agora que a segunda vaga da pandemia atingiu em força Portugal e nos começamos a questionar como vamos sobreviver economicamente a este contexto, sei que a insegurança e as dúvidas que o estrangeiro sente são muitas e por esse motivo resolvi dar-lhe algumas dicas para se manter firme neste sonho de morar no nosso país.

 

20
Nov20

O Sistema Educativo Português

Como especialista de recursos humanos reconheço que acompanhar um profissional estrangeiro no seu processo de mudança para Portugal não se cinge apenas aos processos de carreira, à pesquisa de emprego e à aquisição de conhecimento sobre o nosso mercado de trabalho. Em muitas ocasiões dou comigo a explicar coisas tão diferentes como quais são as regiões mais frias ou como funciona o sistema de ensino, e sei que apesar de lhes dar apenas o meu ponto de vista e a experiência empírica, sei o quanto é importante para os tranquilizar como também para poderem tomar melhores decisões.

Este não é um post sobre curriculum vitae ou pesquisa de emprego sequer, mas acredito que para muitos profissionais é tão ou mais importante que os temas referidos ou nos quais sou especialista há mais de 16 anos. Este post é sobre o sistema educativo português e foi escrito a pensar nos pais estrangeiros que querem vir para Portugal.

16
Nov20

Dicas para um Curriculum Vitae europeu

Se há temas que são verdadeiros clássicos na gestão de carreira o curriculum vitae é certamente um deles. Para a maioria dos profissionais, em qualquer parte do mundo, o problema do desenvolvimento de um bom curriculum vitae é que não existindo uma fórmula única e certeira, torna-se complicado decidir o que é certo para o perfil individual de cada um e o que na prática vai produzir resultados no mercado de trabalho.

Ao contrário da maioria do mercado, eu não concordo que um profissional crie diferentes versões do seu curriculum vitae para atender ou responder a diferentes oportunidades de trabalho. Diz-me a experiência que quando o profissional desenvolve um trabalho de autoconhecimento, identificação de competências pessoais e profissionais e estruturação de argumentos não necessita criar diferentes personas do seu perfil profissional. O trabalho de autoconhecimento e reconhecimento de perfil é o mais difícil, bem sei, mas é o único que o capacita para “vender” a um potencial empregador as suas mais-valias em diferentes funções. Não criar diferentes versões escritas do mesmo curriculum vitae.

13
Nov20

Aprender línguas sem gastar dinheiro

Uma das perguntas que mais me fazem em sessão de carreira é se a segunda será necessária para o processo seletivo e se o profissional deve ou não fazer um curso de melhoria da sua segunda língua para poder procurar trabalho em Portugal.

A resposta que usualmente dou é se o empregador pedir como requisito a língua, isso significa que em algum momento do processo seletivo o nível vai ser validado. Em muitos processos de seleção, mesmo que o profissional fique a trabalhar em Portugal com equipas multiculturais onde estão portugueses também, as entrevistas de emprego são sempre realizadas na língua de trabalho, usualmente o Inglês. Portanto, a língua é importante e diria que para algumas funções fundamental sendo a seleção feita na língua em que a profissão vai ser desempenhada.

09
Nov20

Conhecer o Mercado de Trabalho

Um dos maiores desafios que um profissional enfrenta na sua pesquisa de emprego é sem dúvida conhecer de forma estratégica o mercado de trabalho onde pretende criar oportunidades profissionais. Nas minhas sessões de carreira esta é a actividade em que os profissionais mais demonstram resistência na assimilação e até de compromisso com o processo, independentemente da sua nacionalidade ou nível de experiência.

A experiência diz-me que a maior dificuldade reside no facto de ao conhecimento do mercado de trabalho estar subjacente a necessidade de se aprofundar conhecimento suficiente para se identificar principais sectores de actividade e segmentar estrategicamente o mercado, bem como ser capaz de desenvolver hábitos sistematizados de pesquisa de organizações e potenciais contactos profissionais, quer na principal rede social, o LinkedIn, como também através dos motores de busca.

05
Nov20

Ler é conhecimento. Conhecimento é poder.

1_-T8oo_JoKkMxfnPKLt_Ciw.jpeg

Cada vez que digo que as pessoas deviam ler mais e ver menos televisão não é porque esteja interessada em disseminar quaisquer teorias conspirativas acerca dos media, mas porque por experiência própria sei do que falo. Uma das minhas maiores motivações para ler tanto é porque acredito que quanto mais informação eu tenho menos preciso que pensem por mim e tomem decisões críticas sobre a minha vida e minha carreira. Conhecimento para mim é a chave de tudo na nossa vida!

Por outro lado, ler é fundamental para o meu sucesso como especialista de carreira, não apenas os livros com as tendências de paradigma, mas sobretudo no que diz respeito aos dados de mercado e dinâmicas empresariais que me permitem conhecem o ambiente à minha volta. E essa leitura dá-me a capacidade de ver mais além e com mais detalhe, sem cair nas respostas dogmáticas.
Hoje acabei de ler o meu 43º livro de 2020. Precisamente quando uma profissional se queixava no LinkedIn por não encontrar trabalho em Portugal porque não tinha cunhas.

Se esta profissional lê-se com mais frequência os dados estatísticos sobre o mercado de trabalho em Portugal perceberia por que motivo determinadas funções, em determinados segmentos parecem quase a travessia do deserto. 

02
Nov20

O seu grau académico em Portugal

Uma das perguntas que o profissional estrangeiro mais me coloca é se deve fazer o processo de equivalência do seu grau académico junto de uma universidade portuguesa. Sendo reconhecidamente um processo burocrático e oneroso em termos financeiros, julgo ser crucial abordar este tema, mas trazendo para a discussão dois outros temas que na minha opinião e experiência estão interligados: A conversão da sua classificação final para a lógica de classificação académica portuguesa e a agregação a uma ordem profissional.

Uma das dicas que mais reforço junto de profissionais estrangeiros é a da necessidade de demonstrarem o seu aporte técnico e pessoal através da valorização indireta das organizações onde trabalharam e onde estudaram. Esta valorização pode ser feita subtilmente em entrevista de emprego, mas é sobretudo um truque usado ao nível do curriculum vitae em que o profissional através da valorização do seu empregador ou da universidade está a criar o contexto de valorização para a sua carreira também.

30
Out20

Remuneração salarial em Portugal

Acredito que um dos grandes desafios que um imigrante enfrenta quando chega ao nosso país é compreender de forma clara o que é a remuneração salarial e como está estruturada em termos financeiros e legais.  Neste artigo, o meu objectivo é explicar-lhe da forma mais simplificada possível o que será o seu salário, que tipo de contribuições e descontos deverá realizar e como é que este é composto.

Em primeiro lugar, o mercado de trabalho português faz uma diferenciação entre Remuneração Base Remuneração Acessória, sendo que a primeira diz respeito ao salário base assente no princípio da disponibilidade do profissional para o trabalho e a segunda a todos os benefícios, subsídios e demais pagamentos complementares, como por exemplo os subsídios de férias e natal e o subsídio de alimentação. A Remuneração Final Mensal, composta pelo salário base e pelos benefícios acordados ou subsídios complementares acessórios, é considerada bruta ou ilíquida antes de o profissional realizar as suas contribuições para a segurança social e impostos e líquida quando recebe o dinheiro na sua conta após todos os descontos obrigatórios por lei que são processados directamente pelo seu empregador.

Sobre mim

foto do autor

Biografia

Este blogue é o resultado do meu percurso enquanto especialista em recursos humanos.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D